No final de maio, cerca de 30 educadores fizeram uma visita técnica a Sobral, no Ceará, para conhecer a experiência de sucesso do município na educação. A viagem durou uma semana e foi direcionada aos participantes do Programa Rede de Líderes Educacionais Fluminense, iniciativa do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (Ceipe), da Fundação Getulio Vargas (FGV-RJ), que faz mentoria para secretarias municipais no estado.

Carolina Campos, Consultora Educacional e pesquisadora associada no Centro de Pesquisas de Políticas Educacionais do Teachers College (Universidade de Columbia, em Nova Iorque), foi responsável por realizar uma das palestras para o grupo. Para contar a trajetória do município na educação, a profissional utilizou diversos materiais, como o livro “Políticas Educacionais no Brasil: o que podemos aprender com casos reais de implementação?”, que dedica um capítulo especificamente sobre a história de Sobral entre 1999 e 2003 (faça dowload gratuito do livro neste link).

No livro, a intenção é mostrar, sob o ponto de vista dos governantes (o prefeito Cid Gomes e o secretário de educação, Ivo Gomes), os desafios e as escolhas que precisaram tomar naquele momento decisivo para o posterior sucesso da rede. “Os novos gestores encontraram na administração municipal um cenário de ‘terra arrasada’, resultado de um processo político que, segundo Cid, ‘levou ao fundo do poço a política sobralense’, com base no mais típico clientelismo”, está descrito no livro, que depois de contextualizar a educação municipal apresenta as decisões seguintes do governo, como nova lei de cargos e salários, a organização das contas e expansão de investimentos.

Essas informações disponíveis no livro, segundo Carolina, deram importantes informações para enriquecer a discussão com os participantes: “Eles interagiram bastante com a história, sempre fazendo muitas perguntas para compreender de qual forma Sobral superou os principais desafios que costumam ser comuns a outros municípios do país”, conta a pesquisadora.

E ela continua: “Acredito que o livro pode ser utilizado com vários propósitos: para conhecer e discutir sobre as experiências descritas, como insumo para dar robustez a apresentações e gerar discussões. Por mostrar diferentes momentos das políticas públicas de educação dos diversos capítulos apresentados, possibilita conhecimentos sobre a concepção das ideias e a implementação das ações na prática”.